pequenitudes - crônicas das pequenas atitudes humanas

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Stalingrado

Stalingrado. Milhares de cadáveres pisoteados por um punhado de soldados. O cheiro ocre da podridão amenizado pelo de pólvora recém queimada. Balas, muitas balas, e a grande mancha vermelha de sangue pisado, como a bandeira da vitoriosa URSS.

No céu, a Lua emite um círculo de luz ao seu redor, concêntrico. Raro fenômeno. Nuvens carmesim, ao crepúsculo. Como algodões ensanguentados.
- Essa é uma batalha que a história nunca esquecerá - comentou um soldado com seus colegas.

Escurece. As nuvens cobrem a Lua. O belo fenômeno, esquecido.

2 comentários:

  1. Bonito: Poesia por sobre Stalingrado, sem tomar partido... Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. tudo que passa, vira passado: o inesquecível esquecido.

    ResponderExcluir